Draw everywhere, and all the time. An artist is a sketchbook with a person attached.
Irwin Greenberg





2015-07-05

Museu da Carris

 
 
 


Encontro realizado pela Rita Caré.

Na casa da Maria Celeste




Feito há uma semana na Casa da Maria Celeste na João do Rio.

2015-07-03

Quinta dos Lilazes

 

 


Ontem de manhã na Quinta dos Lilases, paredes meias com as Conchas.

2015-07-02

2015-07-01

Quinta das Conchas

 
 

Manhã cedinho para aproveitar o fresco.

2015-06-29

 

Dupla página de um mini diário gráfico.

2015-06-26

 


Este rápido sketch foi feito nos inícios deste mês. Tinta da China.

2015-06-25

Ericeira

 


Continuando a desenhar a costa da Ericeira. Desta feita da praia da Empa sobre a costa norte.

2015-06-24

2015-06-23

Ericeira

 


Uma manhã embrumada mas que me permitiu desenhar. A Ericeira no seu melhor.

2015-06-22

Ericeira

 
 

2015-06-19

5º e último dia em Torres Vedras

 

 

 


Tinha chegado a hora do adeus mas, nessa manhã, ainda houve um sketchcrawl que foi dentro do Convento da Graça, a chuva não nos largava.

A página do soldado está incompleta pois vieram-me chamar para irmos fazer a partilha dos trabalhos e a fotografia da praxe.

Até breve, Torres Vedras.

2015-06-18

Torres Vedras 4º dia

 
Da parte da manhã workshop - A Linha e a Mancha - com Rosário Félix e Inma Serrano. O que nos foi pedido foi para usarmos a grafite 6 e 9b e desenharmos pessoas e um enquadramento. No final poderíamos utilizar ceras  para colorir.
 
Era para irmos para o Castelo mas como chovia ficámos pelo mercado municipal.
 
 
Da parte da tarde workshop - O desenho de Viagem com Eduardo Salavisa. Estando o tempo um pouco melhor formos para o Castelo. Neste workshop fiz batota; apenas fiz o primeiro exercício, depois estive a conversar com alguém que já não via há muito tempo. O convívio também faz parte dos sketchers. Assim, só o último desenho é deste workshop. 
 
 

 

 

 

 

2015-06-17

Torres Vedras 3º dia

 

O dia começou muito bem com uma proposta que despertou a nossa criatividade. Numa primeira fase tínhamos de fazer, em folhas soltas, um enquadramento e noutra folha pessoas em diversas posições, em qualquer tipo de tamanho e de folhas. Tivémos meia hora para o fazer e depois os formadores, José Marconi (brasileiro) e Clara Marta Moreno (espanhola) ficaram com os nossos trabalhos.

Na galeria da Câmara esperámos que os mesmos fossem digitalizados e, em seguida, quais crianças, foi um puxa daqui, tira dali, para obtermos as imagens pretendidas.

Finalidade do exercício - no nosso caderno (pelo qual optei) ou numa folha solta teríamos que juntar o cenário/enquadramento com as pessoas. Podíamos e devíamos usar desenhos de outros sketchers na totalidade ou em parte. Optei por usar o que fiz para o enquadramento - parte da Igreja de S. Pedro e por pessoas que fui escolhendo de formatos diferentes e que depois colori. Tirando o desenho da Rosário nem sei a quem pertencem as minhas figuras.

Um desafio bem estimulante e divertido.

xxxxx
 
 
Da parte da tarde tivemos o João Catarino com os reflexos. Estava muito gente à volta do espelho de água do Chafariz dos Canos, os sketchers e um grande grupo de alunos da Lusófona.
 
A explicação, quase teatral e humorística do João foi muito boa e fez-nos, no mínimo, sorrir. Quanto aos reflexos, aí já suámos para conseguirmos encontrar as manchas. Começávamos pelos reflexos e depois é que fazíamos o mundo real. Difícil porque, muitas vezes, as pessoas já lá não estavam. Optei sempre por deixar em branco a parte de cima quando a pessoa já se tinha ausentado, apenas no reflexo sei que ela existia. Desenhei várias folhas, ficam aqui algumas








2015-06-16

Torres Vedras - 2º Dia

 
Dia passado nas Termas dos Cucos, desactivadas que ficam a cerca de 3km de Torres Vedras. 
 
De manhã o workshop foi com o António Bártolo - A aguarela - com demonstração de como se devem fazer os verdes e tratar a aguarela. Gostei muito.
 
Depois de um almoço, no antigo Casino dos Cucos, que constou de uma belíssima feijoada e de dois bolos um dos quais com sementes de papoila!, seguiu-se o workshop da Ana Luísa Frazão - desenho, escrita e colagem. E a criança que vive dentro de cada sketcher soltou-se e deu azo à sua imaginação.
 
Um dia magnífico, num local de silêncio e muitos verdes. Um local onde a imaginação andou a brincar pois as termas são dos finais do séc. XIX o que dá para construir muitas e variadas histórias que ali se poderiam ter passado.
 
Pena que só de tarde um sol pálido nos tenha acompanhado. De manhã até choveu mas os sketchers, quando entusiasmados, aguentam todas as adversidades.
 
 



 

2015-06-15

Encontro Internacional de Desenho de Rua - Torres Vedras

 
 Este foi o caderninho, feito por mim, que levei para Torres Vedras. Um encontro magnífico onde estive 4 dias e meio desenhando furiosamente o que em cada workshop nos era pedido. A minha biblioteca gráfica ficou mais rica.

Acima de tudo guardarei em mim o conhecimento de tanta gente, tão diferenciada e com quem tive grandes "bate-papos" e de quem recolhi muitos conhecimentos. Foi este o ponto de que mais gostei, da partilha e da diversidade de olhares.

Para além dos portugueses, estavam muitos brasileiros de Paraty e de Curitiba e ainda a Inma Serrano, Clara Marta Moreno e a Celia de Burgos.

Penso que os desenhos e as fotografias dirão muito sobre a riqueza deste Encontro.




1º Dia - parte da manhã com o Pedro Alves aprendendo noções de arquitectura. Fui uma péssima aluna mas, pelo menos, absorvi os conceitos que o Pedro explicou e demonstrou.



Parte da tarde - Fomos para o Largo 25 de Abril e o Lauro Monteiro (Paraty) pediu-nos para desenvolvermos desenhos de escolha livre, daquilo que se vê: a paisagem urbana, placas de ruas, publicidade, anúncios e o que nos envolve, frases, palavras ouvidas. De tudo isto impregnámos o nosso caderno numa folha dupla com traços, palavras, colagens e emoções.

Começou muito bem. O Lauro ajudou o Pedro e vice-versa e, por isso, apesar de estar muita gente, tivémos sempre apoio dos "profs.".

Desde este primeiro dia que tive a noção que ia ser muito bom e há ainda que referir a excelente organização do André Baptista e de toda a equipa do CCC.
 
 
 
Quando terminávamos o workshop da tarde e depois da partilha dos cadernos e da fotografia da praxe íamos para a Cooperativa de Cultura e Comunicação onde havia sempre um palestra informal.
 
Fica aqui o que fiz nesse primeiro dia. No desenho azul encostado à mesa está a grande placa que o Pedro Alves levou e onde fez a demonstração do que queria.